Belém e Manaus serão as primeiras capitais a superar a Covid-19, aponta estudo

Belém e Manaus serão as primeiras capitais a superar a Covid-19, aponta estudo

Boletim ODS Atlas Amazonas. (Arte:Divulgação/Ufam)

Aplicando-se o modelo logístico para a curva de óbitos, nas 6 capitais da bacia amazônica, observou-se que em relação à data estimada para o alcance de 97% dos registros estimados, Manaus e Belém estariam em mesma posição, ou seja, a 6 dias de alcançar esse registro. Isso as coloca em situação de serem as primeiras, dentre as 6 capitais, a avançarem para uma próxima fase da pandemia. As demais capitais estariam ainda em fases mais iniciais da pandemia, sendo o caso mais acentuado o de Porto Velho (Figura 1).

O modelo também prevê o número total de óbitos esperados e que corresponde à assíntota (limite) da curva. Nota-se que esses valores, como esperado, são proporcionais à variação de população total entre as capitais analisadas. 

Manaus e Belém que são municípios com mais de 1,4 milhões de habitantes atingiriam valores acima de 1,5 mil óbitos, sendo que Belém poderá alcançar a maior taxa de mortalidade estimada de 116 óbitos por 100 mil habitantes, seguida de Porto Velho com uma taxa de 99 óbitos por 100 mil habitantes. As menores taxas esperadas são as de Boa Vista e Macapá, com taxas em torno de 48 óbitos por 100 mil habitantes.

Boletim ODS Atlas Amazonas. (Arte:Divulgação/Ufam)

Observa-se que apesar de estarem em fases semelhantes, Belém já apresenta um maior número de óbitos do que Manaus (dados de 12 de junho) (Figura 2) tendo ambas apresentado números bem superiores aos das demais capitais. Nota-se ainda, a menor inclinação da curva dessas capitais, indicando a baixa velocidade de óbitos registrada nos últimos dias nessas duas maiores metrópoles regionais.

Se o modelo logístico estiver corretamente ajustado para a curva de cada um dos municípios examinados, as projeções feitas até o marco de 97% dos óbitos previstos indicam que Boa Vista, Macapá, Rio Branco e Porto Velho serão as últimas capitais localizadas na bacia amazônica a controlarem a pandemia, nessa ordem.

As razões para isso podem estar ligadas a vários fatores. Um deles pode ser a diferença na data de início da transmissão comunitária nessas capitais. A aceleração da transmissão começou primeiro em Manaus; 4 dias após, em Belém e Rio Branco, depois em Macapá após 6 dias e, finalmente, em Porto Velho, em 8 dias após o início em Manaus. Porém, essas pequenas diferenças em dias não seriam suficientes para explicar o fato de em Porto Velho a curva de óbitos ainda não ter atingido sequer o ponto de inflexão, previsto para 18 de junho.

Coronavírus na Região Norte

Outro importante componente que pode determinar essas diferenças são as respostas das populações em termos de isolamento social (Figura 3). Até a terceira semana de março as cidades mostram o mesmo padrão, com maiores picos na penúltima semana daquele mês, lideradas por Rio Branco e Porto Velho. Após isso, as capitais passaram a mostrar diferentes comportamentos.

Em maio, Boa Vista, sempre com o menor índice, teve o mesmo padrão de variações que Porto Velho e Rio Branco. Esta última capital sempre com maiores índices de isolamento, mesmo em períodos anteriores ao da pandemia, dentre as capitais mais ocidentais. Manaus despontou ao apresentar a maior extensão de altos índices de isolamento em relação às demais capitas ao longo das três primeiras semanas do mês de abril.

A partir daí e durante o mês de maio foi Belém que liderou esse ranking. Esses dois longos períodos de isolamento podem ter feito com que essas capitais tenham conseguido avançar para as fases tardias da pandemia antes que as demais capitais, e Manaus antes que Belém.

Boletim ODS Atlas Amazonas. (Arte:Divulgação/Ufam)

Em Macapá, o pico de maior isolamento ocorrido em maio, foi bastante efêmero e seguido de um declínio acentuado. Porém, há quedas acentuadas no isolamento social a partir da segunda quinzena de maio, sendo a mais drástica em Belém chegando a registrar o pior desempenho do grupo nestas primeiras semanas de junho.

Porto Velho tem o segundo pior desempenho no grupo, muito provavelmente devido ao fato de a municipalidade em seu Decreto n. 16.629/2020 ter determinado o retorno de diversas atividades dentro do período de 23 de abril a 04 de maio. A considerável melhora no mês corrente, decorre do decretodo governo estadual que pela primeira vez adotou medidas mais rigorosas de isolamento social naquela capital. Apesar de ter tido uma resposta precoce, Porto Velho talvez tenha sido igualmente precoce em determinar a reabertura ainda no mês de abril, o que determinou que a curva de casos e óbitos siga acelerado e muito distante da fase final.

Não por acaso, é a única capital da região que já teve que reverter suas medidas de reabertura das atividades não essenciais. Belém tornou mais rigorosas as medidas de isolamento com o decreto municipal de “lockdown” No. 96.253 que vigorou entre 7 a 17 de maio. Depois desse período, o isolamento decai a níveis bem inferiores.

Manaus e Belém seguem no mesmo ritmo ao proporem a reabertura escalonada a partir de 01 de junho. Entretanto, observa-se que em nenhuma das capitais, até a data avaliada, os níveis de isolamento social haviam baixado ao ponto de retornarem aos níveis observados antes dos registros dos primeiros casos ou antes das medidas de isolamento social terem entrado em vigor. Em conclusão, pode-se de dizer que por Manaus e Belém terem tido maiores índices de isolamento, por mais tempo e antes das demais cidades estariam mais próximas de avançarem para a fase final da pandemia.

Boletim ODS Atlas Amazonas. (Arte:Divulgação/Ufam)

Hospital de campanha em Manaus voltará a funcionar como escola municipal

Hospital de campanha em Manaus voltará a funcionar como escola municipal

Foto Ingrid Anne/Semcom

Instalado em uma escola municipal, o Hospital de Campanha Gilberto Novaes, na zona Norte de Manaus, será desativado a partir desta segunda-feira, 15, e as instalações usadas novamente como estabelecimento de ensino da rede pública.

A decisão, segundo o prefeito Arthur Virgílio Neto, foi com base na redução da incidência de Covid-19 na capital. Na unidade, segundo o prefeito, foram tratados 570 pacientes que ficaram livres da doença, sendo 28 indígenas. Atualmente, 46 pacientes seguem internados em tratamento no hospital.

O hospital era administrado pelo Grupo Samel e Instituto Transire, que entregou a gestão na semana passada. Conforme Virgílio Neto, os pacientes que ainda se encontram no hospital continuarão recebendo o tratamento normalmente. A taxa de ocupação, atualmente, é de 30%, de um total de 180 leitos ativos, entre enfermarias, semi-intensivas e UTI. 

“O hospital de campanha cumpriu a sua missão. Fizemos às pressas para socorrer o governo do Estado, sobretudo a população de Manaus, e transformamos uma escola em hospital em tempo recorde, mas está na hora de fechar o hospital e fazer com que retorne ao seu destino de escola”, disse Arthur.

Nesse final de semana em que o hospital completou dois meses de funcionamento, 18 pacientes receberam alta médica, sendo 13 neste domingo.

Para voltar a funcionar como escola, o prédio deverá passar por uma rigorosa desinfecção a fim de eliminar qualquer risco de contaminação de alunos, professores e servidores pelo novo coronavírus.

Operação da PF com CGU e MPF tem mandados também para Manaus

Operação da PF com CGU e MPF tem mandados também para Manaus

A operação Dúctil, que mira esquemas de fraudes na aquisição emergencial de materiais e insumos de saúde, cumpre mandados em Manaus. De acordo com a Polícia Federal, a capital do Amazonas está entre as cidades investigadas em conjunto com Controladoria-Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF).

Em Rondônia, cuja investigações não são sobre o Governo do Estado, e sim sobre a prefeitura da capital Rio Branco, são cumpridos dois mandados de prisão e 15 de busca e apreensão. Contudo, não há informação sobre quantos são em Manaus.

Conforme a CGU, foram encontrados indícios de irregularidades nas homologações de propostas de compras, entre outras.

Portanto, conforme a Polícia Federal, a Dúctil ocorre simultaneamente com a operação Assepsia, no estado do Acre.

Leia mais no site da PF.

Arthur envia apelo a Greta Thunberg para combater o novo coronavírus

Arthur envia apelo a Greta Thunberg para combater o novo coronavírus

O prefeito Arthur Virgílio Neto, enviou neste sábado (2), um vídeo institucional à ativista ambiental sueca Greta Thunberg, cujo conteúdo é um apelo para que, com sua influência mundial, ela possa ajudar a angariar recursos que ajudem a capital do Estado no combate ao novo coronavírus. “É um SOS ao Amazonas”, definiu.

Com o agravamento diário no sistema de saúde e funerário em Manaus, o prefeito tem buscado expor essa situação ao País e ao mundo, com o intuito de buscar auxílio de equipamentos, médicos e medicamentos.

“A gravidade com que o novo coranavírus está fazendo vítimas faz necessário que a ajuda venha com rapidez. Aguardo, ansiosamente, um grande auxílio por parte do Ministério da Saúde, sinalizado por seu secretário-executivo, general Pazuello. Porém, tenho pressa e, por isso, tenho buscado o apoio internacional para enfrentar o que está por vir neste mês de maio, momento em que chegaremos ao pico da doença”, explicou Arthur Neto, ao destacar que também busca apoio junto aos líderes de alguns países do G20.

No vídeo, publicados em suas redes sociais, FacebookTwitter e Instagram, o prefeito foi enfático sobre o estado de calamidade que vive a cidade de Manaus e foi direto quanto ao pedido de auxílio para o Amazonas.

“Sou prefeito de Manaus, a principal cidade do Estado do Amazonas, a grande cidade de toda a Amazônia brasileira. Estou lhe dizendo que precisamos de ajuda. Temos que salvar as vidas dos protetores da floresta. Estamos diante de um desastre, parecido com uma barbárie”, destacou na gravação.

“Conheço toda a sua influência, conheço a sua capacidade de entender os sentimentos de outras pessoas. Meu povo está sofrendo muito e é por isso que estou direcionando para você essas poucas palavras. Ajude o Amazonas e a floresta a serem salvos”, recorreu o prefeito.

Estado crítico

Ainda segundo o prefeito, a situação em Manaus é muito mais crítica do que os dados oficiais apontam e a conta não está batendo, se referindo aos registros de falecimentos, que quadruplicaram nos últimos dias, ao mesmo tempo em que se registra uma subnotificação de casos da Covid-19.

“O crescente número de sepultamentos deixa claro que as mortes por causas indefinidas e síndromes respiratórias estão relacionadas com a Covid-19. Precisamos que esses números sejam reais para termos um cenário que esclareça a todos a calamidade que estamos vivendo por conta da pandemia”, finalizou Arthur Virgílio.

Campanha pelas crianças

A ativista climática, Greta Thunberg, também está na luta contra o coronavírus e nesta quinta-feira (30), participou do lançamento de uma campanha da Organização das Nações Unidas (ONU) para o financiamento da aquisição de máscaras, luvas, sabão e outras ações que possam proteger crianças.

D24 am

MPF investiga superdosagem de pacientes em estudo com cloroquina

MPF investiga superdosagem de pacientes em estudo com cloroquina

O Ministério Público Federal (MPF) do Rio Grande do Sul abriu inquérito, nesta terça-feira (21), para investigar a suspensão de parte de uma pesquisa sobre o uso de cloroquina no combate ao coronavírus.

O estudo, realizado em Manaus, capital do Amazonas, teria utilizado altas doses do medicamento. A suspeita é que a superdosagem levou à morte 11 pacientes em estado grave com Covid-19, destaca o site Poder360.

Segundo o MPF, “a dose usada no estudo foi de quase 3 vezes a dose máxima segura”.

O estudo, o maior do Brasil sobre o uso do medicamento, foi financiada pelo governo do Amazonas, a Farmanguinhos (Fundação Oswaldo Cruz, Suframa, Capes, Fapeam) e fundos federais concedidos por uma coalizão de senadores.

A pesquisa havia sido aprovada pela Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), ligada ao CNS (Conselho Nacional de Saúde), que conta com professores universitários e cientistas.

MPT recomenda hotéis ou alojamentos aos profissionais da Saúde, no AM

MPT recomenda hotéis ou alojamentos aos profissionais da Saúde, no AM

Na tarde desta quarta-feira (14), o Ministério Público do Trabalho no Amazonas e Roraima expediu nova recomendação ao Estado para adoção de protocolos legais e normativos de proteção da vida, da saúde e da segurança de todos os profissionais de saúde que estão trabalhando, incansavelmente, no combate ao novo coronavírus, como alojamento ou hotéis para os trabalhadores.

O documento traz diretrizes do órgão ministerial para o Amazonas adotar, incontinente, medidas de proteção dos profissionais de saúde contra os riscos biológicos trazidos pelo Covid-19. A recomendação do MPT está fundamentada na preservação da dignidade humana, no respeito à vida, saúde e segurança desses profissionais, direitos fundamentais previstos na Constituição Federal, além de outras regulamentações consagradas na CLT e Normas Regulamentadoras do antigo MTE, em especial a NR-32 (fornecimento de EPI, higienização dos EPIs, orientação quanto ao uso, barreiras sanitárias em relação à entrada e saída desses profissionais nas unidades de saúde, entre outras).

Além disso, o MPT, diante da possibilidade de o sistema de saúde poder entrar em colapso de pessoal, tendo em vista a morte de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, associada às centenas de afastamentos desses profissionais de saúde do sistema, por adoecimento, por conta do contágio pelo Covid-19, também recomenda a adoção de outras medidas, em especial:

a) serviços de alojamento ou hotelaria para esses profissionais, de modo a evitar que os mesmos retornem aos seus lares e acabem contaminando seus familiares, já que há falta de EPI e a higienização desses materiais tem sido feita pelos próprios profissionais de saúde, normalmente em suas próprias residências, como também para que o próprio Estado possa acompanhar o estado de saúde desses trabalhadores.

b) manter, em dia, o pagamento desses profissionais de saúde, inclusive para efeito de priorização em caso diminuição da arrecadação;

c) abster-se de propor projeto de lei que vise a redução dos vencimentos dos servidores públicos da saúde durante o período da calamidade pública, como também pelo mesmo período após esse estado, entre outras.

Protocolo

O procurador-chefe do MPT no Amazonas, Jorsinei Dourado do Nascimento, destaca que apesar do Ministério Público do Trabalho ter a compreensão das dificuldades que o mundo está passando com o novo coronavírus, é urgente e necessário reforçar que o Estado venha a implementar um protocolo de ações emergenciais de contingência, acolhimento e atendimento médico desses profissionais de saúde.

Transporte público de passageiros em Manaus continua permitido

Transporte público de passageiros em Manaus continua permitido

O Governo do Amazonas esclarece que o decreto que restringe o fluxo nas rodovias estaduais e federais do Estado não abrange o transporte público municipal feito por meio de ônibus, micro-ônibus, táxi, mototaxi e aplicativos de transportes de passageiros em Manaus.

A proibição do transporte de passageiros intermunicipal e interestadual começa a valer nesta nesta segunda-feira, quando o Governo do Estado prevê publicar o decreto com as novas medidas restritivas, necessárias para diminuir o avanço do novo Coronavirus no Amazonas.

Prefeito de Manaus, Arthur Neto, não comparece a reunião com autoridades para discutir medidas contra o Covid-19

Prefeito de Manaus, Arthur Neto, não comparece a reunião com autoridades para discutir medidas contra o Covid-19

Em virtude da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), autoridades se reuniram ontem (19/03), para discutir medidas de amparo a população e ao comércio do estado do Amazonas.

Compareceram à reunião o Governador do Amazonas Wilson Lima, assim como representantes do Tribunal de Justiça do Amazonas, Ministério Público do Estado, Tribunal Regional Eleitoral, Tribunal Regional do Trabalho, Tribunal de Contas do Estado, Assembleia Legislativa, Câmara Municipal de Manaus, além de militares da Aeronáutica, Marinha e Exército.

A reunião tinha como objetivo de discutir estratégias de combate ao COVID-19, além de um pacote econômico que beneficie a população e ajude o comércio a suportar à pandemia.

Chamou atenção das autoridades a ausência
do Prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), que não compareceu à reunião, não enviou representantes e nem sequer justificou sua ausência.

População pergunta: Cadê o Prefeito Artur?

Em um momento de união dos poderes em combate a uma pandemia que assola o país e o mundo, o Prefeito de Manaus simplesmente some e se exime da responsabilidade como gestor da cidade.

Fiocruz confirma mais dois casos de Covid-19 em Manaus; FVS aguarda contraprova

Fiocruz confirma mais dois casos de Covid-19 em Manaus; FVS aguarda contraprova

O Amazonas permanece com apenas um caso confirmado para Covid-19, segundo afirmação da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas, durante coletiva realizada na tarde desta terça-feira (17). Ao todo, são 33 casos notificados, desses 27 descartados, 5 em processamento e 1 afirmativo (mulher de 39 anos).

De acordo com a diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, na manhã desta terça-feira (17), dois casos foram notificados à instituição, informando dois positivos para Covid-19, realizados pelo laboratório da Fiocruz. As amostras desses dois indivíduos foram coletadas e enviadas ao único laboratório considerado oficial pelo Ministério da Saúde (MS), o Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen/AM). O resultado será divulgado nesta quarta-feira (18), pela FVS.

Ainda segundo Rosemary, entre essas cinco amostras a ser confirmadas pelo Lacen, está o caso do vice-reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), professor Jacob Cohen, que testou positivo para coronavírus no dia 16 de março, depois de retornar de uma viagem a São Paulo com os sintomas leves da síndrome.

“Não tínhamos essa notificação, tivemos a notificação hoje pela manhã pelo pesquisador da Fiocruz que realizou a análises das amostras que deram positivo para Covid-19. Os pacientes procuraram o laboratório da Fiocruz para a realização do teste de suas amostras e no momento que a Fiocruz identificou os casos positivos. Hoje, pela manhã, a Fiocruz entrou em contato conosco informando sobre esses casos e a partir desde momento, desencadeamos todas as medidas de vigilância que são: fazer a investigação do caso, identificar todas as pessoas que estiveram em contato e coletar novas amostras para poder comprovar ou descartar, os casos notificados como positivo”, disse.

Homem é executado dentro de igreja na Zona Norte de Manaus

Homem é executado dentro de igreja na Zona Norte de Manaus

Na manhã do domingo (15), um homem, identificado como Juceli de Souza Santos, de 31 anos, foi assassinado a tiros dentro de uma igreja, localizada na rua Santa Helena, na comunidade Nossa Senhora de Fátima, no bairro Novo Aleixo, na Zona Norte de Manaus.

Juceli estava participando de um culto, quando foi surpreendido por dois suspeitos, não identificados, que invadiram o local e efetuaram diversos disparos contra ele. A vítima foi executada na frente dos familiares.

De acordo com informações repassadas pelo Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC-AM), a vítima foi atingida com 12 tiros, que não resistiu e morreu no local.

O corpo do homem foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). O caso deve ser investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), para descobrir quem matou o homem e a motivação do crime.