Governo do Amazonas dobra número de respiradores no interior para atender às vítimas da COVID-19

Governo do Amazonas dobra número de respiradores no interior para atender às vítimas da COVID-19

Os 61 municípios receberam mais de 2,6 milhões de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), 74,5 mil testes rápidos, conforme último balanço da Central de Medicamentos do Amazonas (Cema). O número de respiradores no interior dobrou durante a pandemia, saindo de 65 para 130. Foram enviados 47 respiradores por aquisição da Secretaria de Estado da Saúde (Susam) e do Ministério da Saúde, sendo 15 para Tabatinga, oito para São Gabriel da Cachoeira, três para Itacoatiara, três para Manacapuru, dois para Rio Preto da Eva e dois para Tefé. Juntas, as localidades reúnem 403 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os municípios de  Maués, Boa Vista do Ramos, Iranduba, Santo Antônio do Içá, Autazes, São Paulo de Olivença, Careiro Castanho, Manaquiri, Presidente Figueiredo, Boca do Acre, Itapiranga, Carauari e Silves receberam um aparelho cada.

 
O Governo do Estado acaba de adquirir 27 respiradores, e vai distribuir os equipamentos entre os municípios conforme os dados epidemiológicos e estrutura da unidade. Em abril, foram enviados 44 monitores multiparamétricos e 134 colchões hospitalares ao interior.
 
“Hoje, por exemplo, em Tabatinga temos 22 leitos com respiradores para Covid-19, em Parintins temos  seis, Manacapuru tem cinco, Itacoatiara tem três, e assim a gente vem a ter alguns pulverizados nos municípios”, disse o secretário de interior da Susam, Cássio Espírito Santo.

Amazonas está entre os 10 mais transparentes do Brasil em contratações durante a pandemia

Amazonas está entre os 10 mais transparentes do Brasil em contratações durante a pandemia

O Amazonas foi classificado como o 2º estado mais transparente da região Norte, na divulgação dos contratos emergenciais feitos durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O estudo inédito, divulgado nesta quinta-feira (21/05) pela Transparência Internacional, foi baseado em dados retirados dos portais de transparência dos governos, além de sites e redes sociais dos 26 estados e do Distrito Federal. O ranking coloca o Amazonas como o 10º melhor estado do Brasil na transparência, com avaliação boa.

“Esse resultado mostra que o Estado está no caminho certo, atuando com transparência e melhorando a cada dia a sua prestação de contas junto à sociedade”, afirmou o governador Wilson Lima.

A boa avaliação significa que o Governo do Amazonas vem cumprindo as exigências da Lei Federal nº 13.979/2020, que impõe transparência nas contratações emergenciais e medidas adotadas para o enfrentamento à pandemia de Covid-19. Os critérios observados para o posicionamento dos estados no ranking foram fundamentados no guia de Recomendações para Transparência de Contratações Emergenciais em Resposta à Covid-19, produzido em conjunto com o Tribunal de Contas da União.

Devem estar disponíveis e de fácil acesso informações como nomes dos fornecedores, o bem ou serviço que está sendo contratado, valor do contrato emergencial, prazo de execução do mesmo, entre outros dados, de forma que a população possa constatar de que forma o dinheiro público está sendo empregado durante a crise na Saúde Pública.

Entre os demais estados da região Norte do Brasil, Rondônia ocupa o 7º lugar, o Amapá aparece em 15º, Tocantins em 16º, Pará em 24º, Acre em 25º e Roraima ocupa a última colocação, em 27º lugar.

Compras – No Amazonas, o Centro de Serviços Compartilhados (CSC-AM) passou a concentrar os processos de compras da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), inclusive os de dispensa de licitação.

“Para melhorar o fluxo de atuação, inclusive no envio de respostas e prestação de contas aos órgãos de controle, concentramos os processos de compra da Susam no CSC. Dessa forma, a secretaria passa a se voltar integralmente apenas à assistência e, assim, conseguimos aprimorar os serviços oferecidos aos nossos pacientes. Garantir a transparência e a eficiência das ações têm sido a tônica do nosso trabalho”, frisou a secretária de Saúde, Simone Papaiz.

A Susam vem aprimorando fluxos de trabalho e reorganizando as atividades administrativas do órgão. A ideia é que os processos tramitem, a partir de agora, de forma mais rápida, e eficiente. Na última sexta-feira (15/05), a titular da Susam esteve reunida com o secretário de Fazenda, Alex Del Giglio, e equipe técnica do Governo do Estado para discutir estratégias que ofereçam ainda mais transparência às ações na saúde, sobretudo nos processos envolvendo compras e contratos.

As tratativas se voltaram, principalmente, para a implantação da dispensa de licitação eletrônica e de uma cronologia de pagamentos. Atualmente, grande parte dos processos na Susam ainda não são eletrônicos.

Além disso, desde o início de maio, uma comissão de técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) tem atuado junto à secretaria para o acompanhamento dos procedimentos de compras e contratações.

Portal da Transparência – Desde o dia 17 de abril, o Portal da Transparência do Amazonas disponibiliza um link que reúne informações relacionadas às medidas adotadas pelo Governo do Estado no enfrentamento ao novo coronavírus. Relatórios de despesas, relação de pagamentos, legislação e ações do monitoramento da pandemia no Estado podem ser acessadas na plataforma eletrônica.

A reunião dos dados é um trabalho conjunto entre a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AM), a Controladoria-Geral do Estado (CGE), Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) e a empresa Processamento de Dados Amazonas S.A (Prodam).
Ao acessar o endereço do portal (www.transparencia.am.gov.br), o cidadão encontrará na primeira tela o link “Coronavírus (Covid-19) – Ações e Recursos para o enfrentamento à Pandemia do novo Coronavírus”. A área apresenta dois blocos de informações. Na primeira, é possível ter acesso de maneira rápida e clara às informações financeiras sobre as ações que o Governo do Estado está realizando no combate ao coronavírus. O segundo bloco apresenta o monitoramento atualizado dos casos de Covid-19 em todo o estado do Amazonas.

Painel – As medidas adotadas pelo Governo do Amazonas compõem um painel nacional que reúne as ações dos estados para o enfrentamento do novo coronavírus. O painel foi lançado no último dia 12 de maio, pelo Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração (Consad). Além de promover mais transparência em relação às respostas da administração pública, a ferramenta visa, sobretudo, auxiliar gestores no processo de tomada de decisão.

Pelo Amazonas, o painel é alimentado pela Secretaria de Estado de Administração e Gestão (Sead-AM), a partir de informações catalogadas pela Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) e pela Imprensa Oficial do Amazonas nos Diários Oficiais do Estado (DOE).

Comissão CGE – Conforme determinação do governador do Amazonas, Wilson Lima, a Comissão de Auditoria Especial instituída pela Controladoria-Geral do Estado (CGE) para avaliar as ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) iniciou os trabalhos no dia 11 de maio.

Os técnicos atuam com base em um cronograma de auditorias que abrangerá os contratos celebrados pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e demais Unidades Gestoras estaduais para o enfrentamento do novo coronavírus no Amazonas. A equipe também monitora as informações disponibilizadas no Portal da Transparência.

A comissão foi instituída por meio da Portaria nº 20/2020-GCG/CGE, assinada pelo controlador-geral do Estado, Otávio Gomes, com a proposta de dar maior transparência aos gastos, avaliar resultados e contribuir na definição de diretrizes.

FOTO: Secom

Governo do Amazonas recebe mais de 140 mil EPIs e materiais das empresas Ambev, Ball, Carrefour e Klabin

Governo do Amazonas recebe mais de 140 mil EPIs e materiais das empresas Ambev, Ball, Carrefour e Klabin

O Governo do Amazonas recebeu nesta terça-feira (19/05) mais de 140 mil Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e materiais que foram doados por empresas privadas ao sistema público de saúde. As doações vão auxiliar no enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) no Estado.

Dentre os itens doados estão máscaras, aventais, colchões, travesseiros, fronhas e lençóis. O material foi fornecido por quatro empresas: Ambev, Ball, Carrefour e Klabin. As entregas foram realizadas na Central de Medicamentos do Amazonas (Cema), na zona sul de Manaus. O material recebido será distribuído para as unidades de saúde da capital e interior do estado.

De acordo com o coordenador da Cema, Rafael Poloni, as empresas doadoras têm acesso aos locais a que foram destinados os equipamentos, e esse trabalho integrado e humanitário tem sido importante na luta contra o coronavírus.

“A Central de Medicamentos do Amazonas agradece imensamente cada doação. Foram mais de 70 mil equipamentos de proteção individual doados, que vão ser distribuídos para todas as unidades de saúde do estado, tanto capital quanto interior”, disse Rafael, ao destacar também a doação de centenas de colchões, travesseiros e lençóis para unidades de saúde. “É de extrema importância essa colaboração da iniciativa privada junto ao Governo do Estado”, completou.

Rafael Poloni ressaltou que as doações podem ser recebidas a qualquer momento, sem prévio agendamento e, dependendo da urgência do material, a Cema distribui já distribui os itens para unidades hospitalares de forma imediata.

A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, entregou aproximadamente 80 mil itens. Segundo o gerente industrial da Klabin, Fernando Tofanini, cada atitude conta, e essa integração entre o setor público e o privado favorece o enfrentamento à pandemia.

“A Klabin é uma empresa cidadã, que preza pela saúde e a segurança das comunidades no entorno de suas operações. Totalizamos R$ 1 milhão em doações em Manaus e estamos entregando hoje 400 colchões, 400 travesseiros, peças de roupas de cama, além de máscaras, aventais, toucas e outros itens hospitalares essenciais neste momento”, afirmou Tofanini.

Pela terceira vez, a Ambev realizou doação e desta vez entregou 10 mil máscaras N95. A rede de supermercados Carrefour entregou 5 mil máscaras de acrílico e 50 mil máscaras descartáveis.

Carlos Eduardo Saco, diretor comercial do Carrefour, explicou que a doação é voltada à saúde dos profissionais que estão na linha de frente em combate ao coronavírus. “O Carrefour já faz esse trabalho com ONGs (Organizações Não Governamentais) em vários estados do país, e tem uma ONG aqui que faz um trabalho com a comunidade indígena que é um próximo passo de doação, ampliando o processo de doação para as tribos indígenas”, disse.

A empresa de embalagens Ball realizou a entrega de 3.230 máscaras N95, 4.500 fronhas e lençóis hospitalares, além de 500 unidades de macacão Tyvek.

FOTO: Charles Pessoa/Secom

Wilson garante pagamento de verba indenizatória de 6,4 mil profissionais temporários da educação

Wilson garante pagamento de verba indenizatória de 6,4 mil profissionais temporários da educação

O governador Wilson Lima garantiu, nesta segunda-feira (18), o pagamento das verbas indenizatórias de 6.449 profissionais da educação temporários que tiveram o contrato finalizado em janeiro deste ano com a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc). Os pagamentos, que somam R$ 17,2 milhões, serão realizados na próxima sexta-feira (22/05).

“Nós estamos sofrendo muito com essa pandemia do coronavírus. O Estado tem feito um esforço grande, enorme, para poder contemplar todas as áreas, por isso estou trazendo aqui uma boa notícia. Os funcionários temporários que foram desligados da Seduc, no início de janeiro, vão começar a receber suas indenizações a partir do próximo dia 22 de maio. Serão R$ 17 milhões investidos na nossa economia e que serão fundamentais para essas pessoas em um momento como esse”, disse o governador, em vídeo divulgado nas redes sociais.

Ele destacou, ainda, que a finalização dos processos de pagamento não impede que os ex-servidores que ainda estejam desempregados solicitem o auxílio emergencial do Governo Federal ou qualquer benefício social disponível. O governador também reforçou a importância da participação dos alunos no programa “Aula em Casa”, que está disponibilizando os conteúdos letivos por meio da televisão.

“Quero aproveitar aqui e fazer um apelo às crianças para que continuem acompanhando o ‘Aula em Casa’. Isso é fundamental para que a gente não tenha mais prejuízo no nosso ano letivo. Vamos trabalhar juntos para que a gente possa sair o mais rápido possível dessa crise pandêmica. A nossa luta é pela vida”, finalizou Wilson Lima.

Dentro do prazo – Desde 20 de fevereiro, a Seduc havia iniciado os procedimentos de pagamento das indenizações dos temporários. Em situações normais, processos indenizatórios demoram de quatro a seis meses para liberação na administração estadual e dependem de trâmites internos junto à Secretaria de Estado de Administração e Gestão (Sead) e Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

“A administração estadual ainda estava no prazo para pagamento. No entanto, no final de março, com a pandemia do novo coronavírus, começamos a trabalhar para finalizar os pagamentos”, explicou o secretário de Estado de Educação em exercício, Luis Fabian Pereira.

FOTO: Maurílio Rodrigues/Secom

“Governos passados não fizeram o que tinha que ser feito na saúde; a deficiência é de 30 anos”, diz deputado Augusto Ferraz

“Governos passados não fizeram o que tinha que ser feito na saúde; a deficiência é de 30 anos”, diz deputado Augusto Ferraz

O deputado estadual Augusto Ferraz disse hoje em sessão na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) que o Amazonas tem uma deficiência na área da saúde por falta de ações de governos que se sucederam no Estado nos últimos 30 anos. “A situação mostra a nossa deficiência que vem de 30 anos atrás, não de um ano pra cá. Os gestores do passado não fizeram o que tinha que ter feito no Estado do Amazonas. Imagine que foram milhões de reais que não foram usados para melhorar a saúde e não é do dia pra noite que vamos melhorar”, destacou o deputado.

Augusto Ferraz também criticou o pagamento de pensão a ex-governadores e disse que esse dinheiro poderia ter sido usado para investir na saúde. “Como José Melo que trabalhou dois anos como governador e vai continuar recebendo 34 mil reais. É impressionante. Mais de cem mil reais para três governadores, por mês. Isso é que nós devemos ver como desconforto para muitas pessoas hoje estão pagando para esses governadores. Por que fazer isso com o dinheiro público?”, disse o deputado, que também disse que não é o momento de se discutir impeachment do governador Wilson Lima.

“Ele tem que terminar o governo dele, tem que trabalhar, temos que contribuir para buscar qualidade de vida para a população. Não dá pra melhorar nossa saúde do dia pra noite”, concluiu.

Governador Wilson Lima autoriza pagamento de R$ 55 milhões em emendas parlamentares para a saúde

Governador Wilson Lima autoriza pagamento de R$ 55 milhões em emendas parlamentares para a saúde

O governador Wilson Lima esteve reunido, na manhã deste sábado (09/05), na Sede do Governo, bairro Compensa II, zona oeste da capital, com 11 deputados estaduais, e anunciou a autorização para pagamento de um total de 100 emendas parlamentares que serão destinadas à área da saúde na capital e no interior do Amazonas. Ao todo, o governador autorizou o pagamento de R$ 55 milhões em emendas parlamentares, de 24 deputados, que irão beneficiar 31 municípios.

“Eu convidei aqui os deputados para que a gente pudesse tratar das emendas que por eles foram destinadas para a área da saúde, para atendimento à Covid-19, e mostrar em que pé estão esses encaminhamentos, o que já foi empenhado, o que já foi homologado. Aqui liberei os R$ 55 milhões, naturalmente dependendo do entendimento dos deputados e dos processos na Susam (Secretaria de Estado de Saúde) para que possam ser encaminhados”, explicou o governador.

“É importante que isso aconteça para que a gente possa ter uma ampliação na nossa estrutura assistencial e também na compra de equipamentos como EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e outros insumos que são importantes nesse momento”, completou Wilson Lima. O governador estava acompanhado pelos secretários da Fazenda (Sefaz), Alex Del Giglio; o secretário executivo da Susam, Marcellus Campelo; e o secretário executivo adjunto da Capital na Susam, Ítalo Cortez.

Wilson Lima explicou que os recursos serão empregados nas ações de combate à Covid-19 na aquisição de equipamentos, medicamentos, ambulâncias, construção de institutos, assistência à saúde da família, reformas hospitalares, manutenção de ações de saúde, aporte financeiro de cirurgias, manutenção nos Centros de Atendimento Integral à Melhor Idade (Caimis), entre outras atividades. O governador destacou a parceria com Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) nas ações desenvolvidas na área da saúde nesse momento de enfrentamento da pandemia.

“A gente trouxe aqui o nosso pessoal da saúde para mostrar algumas outras necessidades que nós vamos ter pós-pandemia e naturalmente apelando para a sensibilidade dos deputados para que também possam fazer essa destinação para compra de outros insumos, produtos, atendimento de outras patologias e procedimentos cirúrgicos, a questão da hemodiálise, entre outras”, acrescentou Wilson Lima.

O secretário executivo adjunto da Capital na Susam, Ítalo Cortez, explicou sobre esse planejamento feito pelo Governo do Estado. “A gente já está planejando que daqui a um ou dois meses vai existir uma onda, uma demanda reprimida de pessoas que tiveram que ficar em casa e que precisam realizar atendimentos médicos, cirurgias eletivas. Nós temos quatro áreas de ação prioritárias para essa segunda onda, vamos dizer assim, de pacientes que precisam de cirurgias cardíacas, neurocirurgias, cirurgias ortopédicas e urológicas”, destacou Ítalo.

“Já existe uma equipe dentro da Susam fazendo planejamento na área técnica para que esses hospitais que fazem cirurgias eletivas, no futuro, estejam prontos para atender essas demandas reprimidas. Então, essa é uma preocupação nossa, de fato, e que a gente já está se programando para isso”, completou o secretário executivo adjunto da Capital na Susam.

Detalhamento – Um relatório minucioso sobre as emendas foi apresentado aos deputados pelo secretário executivo da Susam, Marcellus Campelo.

“São 100 emendas no total de R$ 55 milhões. Destes, aproximadamente R$ 36 milhões, no dia 30 de abril, foram transferidos da Sefaz para a Susam, que deve agora operacionalizar as emendas. O governador já liberou R$ 16 milhões e, a partir de segunda-feira (11/05), a Sefaz pode liberar esse recurso”, explicou Marcellus. Ele explicou que os deputados pediram para realizar uma nova análise das emendas e verificar a questão de prioridades.

Participaram da reunião, neste sábado, os deputados Adjunto Afonso, Mayara Pinheiro, Felipe Souza, Saullo Vianna, Joana Darc, Dr. Gomes, Ricardo Nicolau, Carlinhos Bessa, Alessandra Campelo, Roberto Cidade e Augusto Ferraz. A líder do governo na Aleam, deputada Joana Darc, destacou a importância da liberação das emendas.

“Vejo (essa reunião) de forma muito positiva porque a gente está em um momento difícil, em que precisamos da união dos poderes, e essas emendas vão proporcionar um atendimento melhor, um investimento na área da Saúde, que agora é nossa prioridade. A gente vai conseguir ajudar os municípios do interior do estado e aumentar, com esse recurso, a capacidade e melhoria dos hospitais aqui em Manaus”, destacou ela.

“Esse dinheiro vem em boa hora, são emendas indicadas pelos deputados e o governo está atendendo, inclusive em tempo recorde. É a primeira vez que se atende tão rápido todas as emendas da saúde. A gente vai poder direcionar, inclusive, para o interior do estado, além de Manaus, que precisa muito, mas os municípios do interior estão sofrendo com a questão do novo coronavírus. Vale lembrar que isso vai passar, e quando isso passar, muitas outras questões de saúde terão que ser resolvidas”, afirmou Alessandra Campelo.

FOTO: Maurílio Rodrigues/Secom

Médicos caxienses contam primeiras experiências em Manaus

Médicos caxienses contam primeiras experiências em Manaus

Os quatro médicos gaúchos, que viajaram para Manaus na última terça-feira (5), já tiveram suas primeiras experiências numa das cidades mais atingidas pela pandemia no país. O trabalho na capital do Amazonas servirá como aprendizado, pois os conhecimentos adquiridos poderão ser usados nos atendimentos no Rio Grande do Sul.

Logo no primeiro dia, eles foram escalados para o plantão  no Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz. Eles também têm plantões no Hospital de Campanha Nilton Lins. 

— Tinha mais ou menos uns 30 pacientes internados, até a virada do plantão. Praticamente todos eles com covid. Ou com exame já positivo ou aguardando o exame positivar, que demora, vai para o Lacen — descreve o médico porto-alegrense Luciano Eifler.

Os médicos contam que, no primeiro momento, a realidade chocou. Manaus tem mais de 4,5 mil casos confirmados de coronavírus e até a última sexta-feira (8) eram 562 mortes ocasionadas pelo vírus. 

— Chocou um pouco, porque todas as pessoas estão iguais. A gente vê mais ou menos o mesmo padrão de insuficiência renal, lesão pulmonar, tomografia ruim. Todos entubados e tudo covid-19, não tem outra coisa — conta Eifler. 

Nas ruas, os profissionais gaúchos notam que, mesmo com a alta taxa de contágio, a população está seguindo a rotina costumeira. Movimentos nas ruas, pessoas circulando e fluxo grande de veículos estão entre as principais observações feitas pelos médicos nestes primeiros dias. No entanto, a maioria da população manauara está utilizando a máscara de proteção ao se locomover.

A médica Samantha de Aspiazu Damiani, de Caxias do Sul, expõe a importância de auxiliar os manauaras: 

— É uma honra ajudar meu país num momento tão crítico.

Para realizar os plantões, os médicos utilizam EPI completo, que conta com macacão, touca, luva e óculos. Além disso, existe uma área própria para descontaminação, onde descartam todo material utilizado. 

— Cada vez que a gente sai de um lugar para o outro, a gente troca a luva. Deixamos uma luva como se fosse a nossa mão, amarramos com esparadrapo colado no EPI, e aquela luva é como se fosse uma segunda pele. Ai tu fica colocando uma outra em cima, toda vez — explica a médica Priscila Olmi, também de Caxias. 

Há também uma tenda de descontaminação na entrada dos hospitais. São chuveirinhos com uma solução antisséptica. Além disso, antes de adentrar na estrutura hospitalar, todos os funcionários são recebidos com termômetro digital para medir a temperatura corporal. 

— Na frente do hospital, é como se fosse uma cabine de foto, só que toda aberta, fechada apenas nas laterais e em cima. Então, tem jatos de água sanitária. Ai tu passa por ali, para, dá a volta e fica com os jatos, funciona por sensor. Tu faz isso tanto na entrada como na saída — explica Priscila Olmi.

No Hospital de Campanha Nilton Lins,  há apenas sete médicos à disposição na ala em que os gaúchos estão atuando. Então, nestes primeiros dias, com a alta demanda de trabalho, o tempo livre é todo dedicado para o descanso. Eifler conta que não há tempo para ver televisão e, raramente, conseguem responder e-mails ou mensagens:

— O tempo de sobra, é para comer e dormir.

Na última quinta-feira (7), eles puderam presenciar a primeira alta no  Nilton Lins. 

— Foi bem legal. Trata-se de uma paciente que já estava internada há uns 20 dias. A gente acompanhou só o final (da recuperação), mas é de encher o olho. Porque é muito triste, a realidade é muito diferente — conta Priscila.

ESTRUTURA HOSPITALAR

Os dois hospitais estão com alta demanda de pacientes com covid-19.

— São hospitais grandes. Eles têm muito espaço e estrutura, abriram setores novos. Então, para ter uma ideia, no Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, são pelo menos uns três andares de UTI. Nós estávamos na UTI do quarto andar — expõe Eifler. 

A médica caxiense Samantha complementa dizendo que, na questão estrutural, é muito melhor do que ela imaginava:

— Em termos de prédio/arquitetura, é muito melhor de todos os hospitais que já conheci. O hospital (Nilton Lins), que ficamos a maior parte do tempo, tem 800 leitos.

O Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz abriu uma nova estrutura e é equipado com ventilador mecânico, bomba de infusão e todos os outros equipamentos necessários para atendimento. Para evitar o contágio de coronavírus, as visitas, na ala de tratamento a covid-19, foram suspensas. A alternativa para falar com os familiares é a videoconferência. 

— Todos eles estão entubados. Não tem paciente que não está entubado. Não é porta de emergência aberta, é uma UTI. Todos em ventilação mecânica, muita bomba de infusão, que são as medicações usadas para sedar, para que eles fiquem descansando. Não tem visita de familiar — detalha Eifler. 

O Nilton Lins, por sua vez, é um hospital de campanha, que também conta com muitos leitos de UTI e opera nas mesmas condições do Delphina Rinaldi Abdel Aziz: UTI fechada. Priscila explica que, por enquanto, há respirador para todo mundo. Assim como luva, máscara, EPI.

—  Tem uma UTI grande, com 20 leitos que também são leitos referenciados. Então, não é emergência porta aberta, é uma UTI fechada. Cada paciente fica no box fechado. Todos os pacientes graves entubados, a grande maioria deles ou testou positivo para covid-19 ou está aguardando resultado — complementa Eifler. 

A maioria dos profissionais deste hospital tem como função de origem bombeiro militar. Eles tinham passado em concursos anteriores e foram chamados pela prefeitura neste momento, em decorrência do aumenta de demanda. Cerca de 800 profissionais da saúde foram contratados.

— As pessoas não têm experiências em trabalhar dentro do hospital. Mas elas têm uma intenção boa, de ajudar, ninguém fica de corpo mole. Todo mundo trabalhando o tempo inteiro — conta Priscila. 

Os dois hospitais contam com ventiladores mecânicos. A diferença, em relação a alguns hospitais do RS é que, essas casas hospitalares têm capacidade para abrir muito mais leitos. Então, conforme vão chegando as equipes, que contam médicos de todas as partes do país, eles abrem novos leitos. 

— Eles até têm o leito box, ventilador mecânico, a bomba de infusão, mas ai tem que ter enfermeiro, técnico e médico. Não adianta eles abrirem leitos sem ter equipes para colocar lá dentro. Então, os leitos eles vão escalonando, abrindo conforme vão chegando recursos humanos para atender, equipes para poder atender — conta Eifler. 

O médico Rodrigo Britto complementa: 

— A estrutura física é muito boa. Os equipamentos são padrão, como a gente encontra na Serra e em outros lugares. Então, a gente está bem assistido. 

Em relação ao todo, Priscila conta que a realidade de saúde da cidade é preocupante:

— A realidade na periferia de Manaus é das pessoas morrendo na porta (hospital). Um colega contou que estava de plantão e chegou uma família com uma pessoa morta há um dia e não sabia o que fazia com o corpo. Então, a realidade que a gente vive aqui em Manaus é melhor do que a vista na periferia da cidade. Estamos num centro bom. Mas, mesmo assim, a realidade de estrutura de saúde é muito diferente, comparando com Caxias.

Fonte: Pioneiro

Grupo de Comunicação de sobrinho de Eduardo Braga pode ser multado após divulgar pesquisa falsa

Grupo de Comunicação de sobrinho de Eduardo Braga pode ser multado após divulgar pesquisa falsa

Nesta segunda-feira (5), o Portal D24am do Grupo diário, noticiou uma pesquisa do Instituto RealTime Big Data, pertencente ao mesmo grupo de Comunicação, que realizou um levantamento da população sobre o impeachment de Wilson Lima, o resultado da pesquisa foi que 7 a cada 10 amazonenses querem o afastamento do governador.

O pesquisa chama atenção por diversos motivos, e ao longo do texto esses ‘erros despercebidos’ serão pontuados. O primeiro deles é referente a data que a pesquisa foi realizada. Segundo divulgado, o levantamento ouviu 1,2 mil pessoas em todo o Estado na última segunda-feira (4), e foi divulgado no dia seguinte, ou seja, na terça-feira (5), como que uma pesquisa que diz que têm 95% de credibilidade divulga uma pesquisa de forma tão rápida assim?

Em tempos de pandemia, outra situação chama atenção, onde que o Instituto RealTime Big Data ouviu essas 1,2 mil pessoas. Estariam eles furando a quarentena? ou é só mais uma pesquisa que por trás existe um grupo político?

Eduardo Braga no comando da carroça

Informações de bastidores dizem que Eduardo Braga se aliou com Amazonino que juntos fizeram uma aliança com o Presidente da Assembleia Legislativa (ALE-AM), Josué Neto. Cyro Batará Anunciação, um dos sócios do Grupo Diário é sobrinho do senador Eduardo Braga, casado com a sobrinha legitima dele. Em 2016 o ex-secretário da fazenda Afonso Lobo já tinha denunciado o ‘envolvimento’ do senador com o grupo. Na época, Lobo estava sendo ‘atacado’ pelo grupo e revelou: Braga é tio do diretor do grupo de comunicação […] Logo, ele está defendendo os interesses da família fazendo esse tipo de confusão […].

Tudo fica um pouco mais claro quando se volta ao passado. Também vale lembrar que com a intenção de tomar a pesquisa mais ‘válida’ ela saiu em rede nacional da TV Record, que é parceira do Grupo Diário de Comunicação. O que seria quebrar um ‘galho’ para um amigo?!

Que instituto é esse? Outra informação valiosa que que o atual governo baniu a ‘Manaus Vistoria’ que segundo informações de uma fonte que não quis se identificar disse que é de propriedade de um sócio oculto.

A todo custo o grupo insiste no impeachment que foi chamado pelo vice-presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Luiz Viana como sendo “absurdo”, além de apontar diversas irregularidades.

Outro que também foi surpreendido com a resposta dos amazonenses com relação ao impeachment foi o Coronel Rosses, declarado de oposição, fez uma enquete no instagram e mais de 65% dos votantes foi contra o pedido de afastamento do governador, em seguida ele apagou a publicação.

O deputado Dermilson Chagas também foi perguntar nas redes sociais o que seus seguidores acham do pedido de impeachment, 83% é contra.

Multa por divulgar resultado falso

De acordo com a Resolução TSE 23.549/2017, a divulgação de pesquisa sem o prévio registro das informações sujeita os responsáveis à multa no valor de R$ 53.205,00 a R$ 106.410,00 (Lei nº 9.504/1997, arts. 33, § 3º, e 105, § 2º). Por outro lado, a divulgação de pesquisa fraudulenta (falsa) constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa no valor de R$ 53.205,00 a R$ 106.410,00.

Confira outras pesquisas do Instituto RealTime Big Data que deram erradas

Nas eleições de 2018, o Instituto RealTime Big Data fez uma estimativa das eleições que mostrou um retrato bem diferente do que vinham mostrando as últimas pesquisas divulgadas sobre a intenção de voto dos amazonenses. Na época, a surpresa foi que o candidato David Almeida, que aparecia em terceiro ou quarto lugar nas sondagens de outros institutos e o Real Time Big Data o apresenta na segunda posição.

Ainda nas eleições, o governador na época Amazonino Mendes, seguia na liderança de intenções de voto, divulgado pelo instituto. O atual governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PDT), segue na liderança das intenções de voto para as eleições do próximo dia 7, segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira (2), pelo instituto RealTime Big Data. O nome de Amazonino é seguido por David Almeida (PSB) e Wilson Lima (PSC), aparecia em terceiro.]

O instituto de pesquisa é conhecido por manipular os resultados e acaba tendo sua credibilidade duvidosa.

Fonte: Portal Baré

Governo do Amazonas pagou mais de R$ 68 milhões a empresas médicas e de enfermagem em abril de 2020

Governo do Amazonas pagou mais de R$ 68 milhões a empresas médicas e de enfermagem em abril de 2020

As empresas médicas e de enfermagem que prestam serviço para o Estado receberam, no mês de abril, R$ 68.609.803,99 do Governo do Amazonas. Os valores são referentes a competências do ano corrente e também de 2019. Além disso, o governador Wilson Lima determinou o pagamento de R$ 15.937.273,57 referentes à dívida que a gestão anterior a dele deixou com as empresas médicas.

No início de 2019, Wilson Lima já havia determinado à gestão um cronograma que permitiu o pagamento de boa parte da dívida de exercícios anteriores. A determinação agora é apurar e pagar todas as dívidas que tenham atraso de 2019. São cerca de R$ 6,8 milhões ainda pendentes do ano passado. O governo tem chamado as empresas uma a uma para levantar as pendências.

Os pagamentos podem ser acompanhados no Portal de Transparência do Governo do Amazonas – http://www.transparencia.am.gov.br/.

No total, 35 empresas receberam em abril os valores de competências diversas. Cerca de R$ 51,7 milhões foram pagos às empresas médicas. Já as seis empresas de enfermagem receberam em abril R$ 14.072.882,15, e outras seis empresas que prestam os dois serviços (médico e enfermagem) receberam R$ 2.753.459,64.

Para a empresa Instituto de Enfermeiros Intensivistas do Amazonas (Ieti) foram liberados, entre o início de abril e os primeiros dias de março, R$ 2,4 milhões referentes às competências de dezembro de 2019 e janeiro de 2020 – R$ 1,9 milhão, pagos nesta segunda-feira (04/05). Desde janeiro, a empresa recebeu R$ 11,1 milhões em pagamentos do Governo do Amazonas, conforme o Portal da Transparência. Nesta terça-feira (05/05), os sócios serão recebidos para tratar das pendências que ainda estão abertas.

Débitos anteriores – O governador também determinou o pagamento de débitos deixados pela gestão anterior. As empresas médicas vão receber 50% da competência pendente de maior valor do ano de 2018.

Compromisso – Em sessão da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o compromisso de pagar competências em aberto do ano corrente, de 2019 e de 2018 já havia sido firmado pela secretária titular da Susam, Simone Papaiz e pelo secretário-executivo adjunto de Atenção Especializada da Capital (SEA), Ítalo Valle Cortez, no dia 23 de abril.

FOTO: Arthur Castro/Secom

Nelson Teich anuncia ampliação do Hospital Nilton Lins com apoio federal

Nelson Teich anuncia ampliação do Hospital Nilton Lins com apoio federal

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse, nesta segunda-feira (4), que o Hospital de Combate ao Covid-19, instalado na Nilton Lins, zona centro-sul de Manaus, poderá ser ampliado com apoio do Governo Federal. Ele visitou o local acompanhado do governador Wilson Lima e avaliou que, antes de planejar um hospital de campanha, o Ministério da Saúde (MS) poderá ampliar a capacidade de atendimento na unidade.

“Antes da gente pensar em um hospital de campanha, tem que pensar em como otimizar o funcionamento daqui. O Hospital é amplo, com espaço para crescer”, disse o ministro ao sair da unidade. Para isso, Nelson Teich disse que o MS vai ajudar na ampliação da capacidade, tanto em relação a equipamentos, quanto recursos humanos.

“Como a gente tem recursos escassos, a gente tem que entender o que consigo utilizar no espaço curto de tempo. Eu preciso de tudo funcionando ao mesmo tempo para poder cuidar das pessoas. Então eu tenho que ter o respirador, eu tenho que ter as pessoas, tenho que ter outros detalhes de operação. Não posso mandar mais do que eu consigo botar para rodar rapidamente, senão eu tiro de outras partes do país. O mais importante de tudo é o que eu consigo botar para operar agora”, detalhou o ministro.

Aumento gradual

O governador Wilson Lima disse que o Hospital de Combate ao Covid-19, na Nilton Lins, tem sua capacidade sendo ampliada gradativamente, à medida que o Estado recebe equipamentos e recursos humanos. Atualmente, há 70 pacientes internados na unidade.

“O Governo do Estado está trabalhando juntamente com o Ministério da Saúde, tem trabalhado no planejamento estratégico para que a gente possa ampliar essa nossa estrutura de atendimento e aí entra não só o Hospital Nilton Lins, mas também outros espaços que precisam de recursos humanos”, disse Wilson Lima.

O governador agradeceu o reforço de equipamentos, do Governo Federal, e de mais de 200 profissionais do Programa Brasil Conta Comigo, que estão passando por capacitação nesta segunda-feira.

“A vinda do Ministro é muito importante porque abre essa janela de esperança para o nosso povo e todos sabem da dificuldade que temos no sistema público do Estado e estamos recebendo do Governo Federal, a gente tem dado passos significativos nesse atendimento a o cidadão”, afirmou Wilson Lima.

Acritica