Polícia Militar detém homem comercializando drogas no calçadão da Feira da Manaus Moderna

Polícia Militar detém homem comercializando drogas no calçadão da Feira da Manaus Moderna

Policiais militares da 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), na tarde desta segunda-feira (11/11), detiveram um homem de 27 anos de idade, suspeito de tráfico de drogas no calçadão da Feira da Manaus Moderna, no Centro, zona sul da capital. Com ele, foram apreendidas 65 trouxinhas de entorpecente, supostamente oxi, e a importância de R$ 147,00 em espécie.

Policiais que atenderam à ocorrência relataram que, durante patrulhamento pelas ruas do Centro, próximo ao Mercado Municipal Adolpho Lisboa, receberam informação de populares de que um homem estaria comercializando entorpecente na área da Feira da Manaus Moderna.

Ao se dirigir ao local indicado, os policiais chegaram em tempo de flagrantear o suposto infrator em atitude suspeita no calçadão da Manaus Moderna e, após ser abordado e vistoriado, foi encontrado com ele o material apreendido.

Diante das evidências, o suspeito recebeu voz de prisão, sendo encaminhado pela guarnição para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde foi flagranteado pelo crime de tráfico de drogas.

FOTO: Divulgação

Homem morre após ser atingido com tiro no pescoço no Santa Etelvina

Homem morre após ser atingido com tiro no pescoço no Santa Etelvina

Um homem, até o momento não identificado, foi executado na tarde desta sexta-feira (1º), na rua Dorabela, bairro Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus. O homem estava dentro de um veículo Voyage preto, de placa NOR – 1453, quando foi alvejado.

Segundo um tenente da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que atendeu à ocorrência, a vítima teria levado um disparo no pescoço.

Ainda não se sabe a motivação do crime ou quem são os autores.

O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para remover o corpo, e o caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Julgamento de Sotero é adiado para novembro pelo Tribunal de Justiça do AM

Julgamento de Sotero é adiado para novembro pelo Tribunal de Justiça do AM

O julgamento de Gustavo Sotero, acusado de homicídio contra Wilson Justo Filho em crime que ocorreu no dia 25 de novembro de 2017, foi adiado para os dias 27, 28 e 29 de novembro. A decisão do juiz de Direito Celso Souza de Paula, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, foi divulgada nesta terça-feira (29) no Fórum Ministro Henoch Reis, na Zona Centro-Sul de Manaus, onde chegou a iniciar os preparativos para o julgamento que se estenderia até a próxima quinta-feira (31).

Com mais de uma hora de atraso, às 10h44, um erro nos nomes dos jurados selecionados para compor a banca causou o adiamento da sessão.

“Foram pré-selecionados 39 jurados em novembro de 2018. Desta primeira lista, apenas o nome de oito pré-selecionados ainda constavam. 31 novos nomes entraram na lista de última hora. A equipe de advogados, liderados por Cláudio Dalledone, entrou na noite de segunda-feira (28) com uma petição pedindo a anulação da lista de jurados atual”, explicou o juiz Celso de Paula.

No mesmo processo, o réu é acusado de tentativa de homicídio contra Fabíola Rodrigues Pinto de Oliveira (esposa de Wilson), Maurício Carvalho Rocha e Yuri José Paiva Dácio de Souza.

No júri, durante o período destinado ao debate, seria disponibilizado o tempo de 1h30 para acusação e o mesmo tempo para a defesa. Em caso de réplica e de tréplica, o magistrado presidente da sessão poderia conceder mais 1 hora para acusação e defesa.

Caso Flávio: filha da primeira-dama de Manaus deixa delegacia após quase duas horas

Caso Flávio: filha da primeira-dama de Manaus deixa delegacia após quase duas horas

Após quase duas horas, Paola Molina Valeiko, filha da primeira-dama de Manaus, Elisabeth Valeiko, deixou nesta segunda-feira (22), por volta das 12h45, a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Ela foi ao local prestar depoimento sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues, encontrado morto no dia 30 de setembro em um terreno no Tarumã, na Zona Oeste de Manaus.

A irmã de Alejandro Valeiko, um dos suspeitos presos de ter ligação com o crime, não quis falar com a imprensa. Em certos momentos, durante o trajeto até o carro que lhe aguardava no pátio da DEHS, ela chegou a demonstrar irritação com os registros feitos por repórteres-fotográficos e cinegrafistas. Ela saiu acompanhada por três advogados, entre eles Félix Valois e Yuri Dantas, ambos responsáveis pela defesa de Alejandro.

Paola, que chegou para depor hoje por volta das 10h45, foi uma das primeiras pessoas que foram ao local onde teria ocorrido o suposto sequestro do engenheiro – encontrado posteriormente morto – no condomínio Passaredo, na residência de Alejandro. Segundo a primeira-dama de Manaus, a filha chegou a limpar o sangue que estava no imóvel.

Mais cedo, questionado sobre o ocorrido, Félix disse desconhecer o fato. Ao ser informado que chegou a ser veiculado, em uma reportagem nacional, que a própria primeira-dama afirmou que a filha limpou o sangue do imóvel, ele declarou: “Então passou. A obrigação da polícia era isolar o local. Não isolou. Quem vai deixar a casa suja? A casa tá suja, tem que limpar”.

Ontem, a Elisabeth Valeiko passou mais de duas horas na sede da DEHS, onde prestou depoimento no início da noite de segunda-feira (21). Sobre o que foi dito, Félix informou que não pode relatar nada por conta do inquérito estar em segredo de Justiça. Ele apenas citou que a primeira-dama estava tensa e nervosa durante os esclarecimentos, o que, segundo ele, é algo natural.

Homem é morto com tiros na cabeça e no rosto

Homem é morto com tiros na cabeça e no rosto

Um homem identificado como Wenderson Souza da Silva, 20, foi executado na madrugada desta segunda-feira (21), no Condomínio Residencial Viver Melhor 2, zona norte da capital. Ele foi atingindo com tiros na cabeça, rosto e peito.

De acordo com moradores da região, a vítima estava em frente ao bloco de apartamentos no qual ele morava, quando foi abordado por cerca de três homens que efetuaram mais de cinco disparos de arma de fogo contra Wenderson.

Ainda conforme a polícia, a morto pode estar, supostamente, relacionada ao tráfico de drogas e os suspeitos do crime podem ter ligação com alguma facção criminosa.

O corpo de Wenderson foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML) e a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) segue investigando o caso.

Mãe e filho são encontrados decapitados após comunidade ser invadida

Mãe e filho são encontrados decapitados após comunidade ser invadida

Lucinéia Ferreira Lima, 51, conhecida como ‘Baiana’; Yuri Lima Barros, 19, e um homem identificado apenas como Matheus foram encontrados decapitados, na manhã desta quinta-feira (16), em uma área de mata, na Comunidade Itaporanga, próximo ao Conjunto João Paulo, bairro Nova Cidade, zona norte da capital.

De acordo com relatos dos moradores a policiais da 15ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que atenderam a ocorrência, a comunidade teria sido invadida, na madrugada desta quinta, por cerca de 20 homens não identificados.

A sigla CV está escrita com sangue em uma geladeira

“Eles passaram pelo local em busca de armas. Ainda segundo os moradores, houve muita gritaria no momento da invasão. Nós recebemos a ocorrência por volta das 3h”, contou o tenente Francisco Batista.

Conforme Batista, ‘Baiana’ era líder comunitária e mãe de Yuri, e algumas casas estão marcadas com a sigla CV, supostamente algo relacionado a facção criminosa Comando Vermelho. A polícia segue no local e o Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para remover os corpos.

Três investigados no Caso Flávio coletam material genético no IML

Três investigados no Caso Flávio coletam material genético no IML

Os suspeitos Elielton Magno de Menezes Gomes Junior, 22 anos, José Edvandro Martins de Souza Junior, 31 anos, e o cozinheiro Vitório Dell Gato compareceram na manhã desta sexta-feira (11) ao Laboratório de DNA do Instituto de Criminalística (IC), situado nas dependências do Instituto Médico Legal (IML), para coleta de material genético.

A reportagem apurou que Alejandro Molina Valeiko, 29 anos, teve o sangue coletado no IML, no dia em que realizou o exame de corpo de delito na última segunda-feira (7). A razão pela qual os suspeitos passaram pelo procedimento e com qual outro material biológico será comparado é desconhecida.

No dia 2 de outubro, peritos do Departamento de Polícia Técnico-Científico (DPTC – AM) encontraram sangue nos sapatos de Alejandro. Com o auxílio de uma substância química, conhecida como Luminol, e luzes forenses, os peritos também encontraram vestígios de sangue na sala da casa onde Alejandro morava, situada no condomínio Passaredo, e na calçada do imóvel, onde teria ocorrido no dia 29 de setembro o suposto sequestro do engenheiro Flávio Rodrigues, posteriormente encontrado morto, no dia 30 de setembro, no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus.

Durante as investigações, o lutador de MMA Mayc Vinicíus Teixeira Parede, 37 anos, assumiu na quarta-feira (9) a autoria da morte de Flávio Rodrigues dos Santos, 42 anos. No entanto, a versão apresentada pelo suspeito não convenceu as autoridades policiais à frente do caso.

Amostras de sangue também foram encontradas pelos peritos no carro Corolla de cor prata, locado para a Casa Militar da Prefeitura de Manaus, onde Mayc e o sargento da PM Elizeu da Paz de Souza, 37 anos, chegaram ao condomínio. Veículo onde supostamente a vítima teria sido colocada.

Prorrogação

A duas semanas do fim do Inquérito Policial (IP) sobre o caso Flávio ser encerrado, tendo em vista o período de 30 dias estabelecido pelo Código de Processo Penal (CPP) no artigo 10, o delegado Paulo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), informou que não sabe se prorrogará as investigações por mais 30 dias. “É cedo para dizer. Só saberei dizer quando o caso vencer”, declarou Martins por telefone. 

Questionado sobre o procedimento que os três suspeitos de terem participação no crime foram realizar no IML, Paulo Martins não soube informar com qual material biológico será comparado o DNA dos investigados.

Mayc Parede assume ter matado engenheiro Flávio Rodrigues

Mayc Parede assume ter matado engenheiro Flávio Rodrigues

O lutador de MMA Mayc Vinicius Teixeira Parede assumiu ter matado o engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, morte ocorrida no dia 29 do mês passado, mas não convenceu porque, de acordo com titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Paulo Martins, os depoimentos dos seis envolvidos no crime são contraditórios.

“Mayc disse que encontrou a vítima só de cueca na casa e o sargento Paz já disse que ele estava vestido. São coisas assim que deixam muitas dúvidas e precisam ser esclarecidas”, disse o delegado.

Em depoimento prestado na última sexta-feira, o policial militar Elizeu da Paz de Souza já apontava e seu colega Mayc como o responsável pela morte do engenheiro.  Por sua vez, Alejandro Molina Valeiko, enteado do prefeito Arthur Neto, levantou suspeitas de que Paz seria o responsável pela morte de Flávio.

Valeiko disse ter visto o policial arrastando Flávio pelos braços tendo uma arma de fogo na cintura e disse acreditar que o sargento é capaz de matar uma pessoa.

Já Paz disse que, no dia do crime, Mayc colocou Flávio no banco de traz do carro modelo Corolla  e que os dois saíram do condomínio com ele. Na Avenida do Turismo, próximo ao Condomínio Vila Suíça, Mayc e Flávio saíram do carro andando indo um pouco mais distante e que minutos depois o colega retornou para o veículo já sem o engenheiro, que mais tarde foi encontrado morto nas proximidades.

A trama, de acordo com as investigações policiais, está perto de ser desvendada e poderá haver uma reviravolta no caso. Além de depoimentos dos supostos envolvidos, a polícia trabalha com provas técnicas que foram produzidas pela perícia, cujo resultado poderá contrariar o testemunho dos envolvidos.

Exames de DNA de amostras de sangue encontradas na casa 3.269 da rua Carlota Bonfim, do condomínio Passaredo, bairro Tarumã, onde Alejandro mora, na no carro Corolla de cor prata locado para a Casa Militar da Prefeitura no qual Flávio foi levado, vivo ou morto, poderão mostrar o local exato onde ele foi assassinado.

O sargento Paz disse em depoimento que exerce a função na Casa Militar de assessor técnico, mas que exerce também a função de segurança e assessor pessoal do prefeito Artur Neto e da primeira-dama Elizabeth Valeiko e que em algumas vezes ia à casa de Alejandro para levar alimentos e verificar se as coisas estavam bem por lá.

 O PM disse ainda que, pelo fato de Alejandro ser usuário de drogas, sempre era chamado pelo cozinheiro Vitório Del Gato, pois havia proocupação de acontecer alguma coisa com Alejandro, pois este costumava levar pessoas estranhas para a sua casa.

No dia do ocorrido, de acordo com o depoimento de Paz, ele foi por conta própria verificar como estavam as coisas na casa de Alejandro e, quando parou em frente ao imóve,l verificou que havia pessoas estranhas no local e que resolveu dar um susto em no filho do patrão. “Peguei uma bala clava que estava no carro e chamei o Mayc e entramos na casa”, disse o militar.

Paz disse que foi direto a Alejandro e deu-lhe duas coronhadas e quando olhou para traz viu sangue e gritou para Mayc pedindo calma. Um dos que estavam presente saiu correndo enquanto Mayc imobilizava o engenheiro Flávio e o levava em direção ao Corolla, estacionado na frente da casa. O PM disse não ter visto se o colega estava armado com uma faca e se o mesmo retornou para o carro com a roupa suja de sangue.

Quanto ao seu telefone celular, inicialmente ele disse que havia perdido e depois se retratou dizendo que preferia se manter em silêncio. O militar se negou a responder algumas perguntas feitas pela delegada Marília, assim como de fornecer material biológico para exame de DNA. No final, Elizeu Paz pediu perdão à família da vítima e disse se arrepender amargamente de nada ter feito para evitar o ocorrido.

Conheceu Flávio naquele dia, diz Alejandro

O engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, 42, foi  encontrado morto após uma festa na casa de Alejandro, onde  costumava ir com frequência, conforme depoimento  prestado à polícia um agente de portaria do condomínio Passaredo. O depoimento contraria  o que vêm dizendo os demais envolvidos no caso, que alegam tê-lo visto pela primeira vez.

Em depoimento na sede do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), entretanto, Alejandro disse não saber o nome da vítima, pois os dois teriam se conhecido momentos antes em uma festa.

Alejandro compareceu à delegacia na segunda-feira, mesmo dia em que o corpo de Flávio foi encontrado. Na noite anterior ao crime, Flávio estava na residência de Alejandro, junto a Elielton Magno e José Edvandro, após deixar uma festa com o grupo.

Sobre a noite do crime, Alejandro disse à polícia que estava com o grupo na sala de casa, mas que não sabia o nome de nenhum dos presentes, pois os conheceu no mesmo dia. Na ocasião, ele conta que a casa foi invadida por dois indivíduos armados. Um deles teria desferido uma facada nas costas de um dos colegas e, depois, dois deles foram sequestrados do local.

Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama, se apresenta na Delegacia de Homicídios

Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama, se apresenta na Delegacia de Homicídios

Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama do município, chegou nesta segunda-feira (07), por volta das 12h13, na sede da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na Zona Leste de Manaus, para prestar esclarecimentos sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues. 

O filho de Elisabeth Valeiko chegou acompanhado de seus advogados Marco Aurélio Choy e Yuri Dantas em um carro importado da marca Jaguar, de placas PHY-040 avaliado em mais de R$ 330 mil. Caso não chegasse até as 13h, a prisão do suspeito seria convertida novamente em prisão temporária com prazo de 30 dias – aplicada em crimes considerados hediondos.

Único suspeito solto de ter envolvimento na morte do engenheiro Flávio Rodrigues, Alejandro desembarcou hoje, por volta das 10h50, no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, na Zona Oeste de Manaus. Ele estava, segundo sua defesa, em uma clínica de reabilitação no Rio de Janeiro.

Familiares de Flávio Rodrigues estavam presentes na hora da chegada de Alejandro e pediram Justiça. Uma nova manifestação está marcada para acontecer nesta quarta-feira (09) na Ponta Negra, na Zona Oeste da capital.

Entenda o caso

O engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos foi encontrado morto no início da tarde do dia 30 de setembro em um terreno no Tarumã, Zona Oeste de Manaus. Flávio estava desaparecido desde a noite do dia 29, após participar de uma festa no condomínio de luxo onde mora Alejandro, no bairro Ponta Negra, também na Zona Oeste da cidade.

Cinco suspeitos de terem ligação com o crime já estão presos.

‘Flávio teve sua vida tirada de forma covarde’, diz família de engenheiro

‘Flávio teve sua vida tirada de forma covarde’, diz família de engenheiro

Na manhã deste sábado (5), uma nota assinada pelos familiares e amigos do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, 42 anos, encontrado morto no bairro Tarumã na última segunda-feira (30) após deixar a casa de Alejandro Molina Valeiko, clama por justiça. No documento enviado pela advogada da família da vítima, trechos destacam a forma como o corpo foi encontrado.

“Flávio teve sua vida tirada de forma covarde. As marcas em seu corpo acusam a brutalidade que lhe atacara fatalmente. Mãos machucadas, rosto desfigurado, semblante sofrido… Nem de longe parecia o nosso Flávio”, consta na nota. “Apesar de saber que a verdade que logo emanará será dolorosa, em razão de tamanha crueldade na ação, a incerteza tem sido ainda pior”, complementa.

Cinco dias após o corpo do engenheiro ser encontrado as investigações continuam no âmbito de cumprimento de mandados de prisão temporária. Até o momento, cinco suspeitos estão presos temporariamente por participação direta e indireta no caso. Alejandro Molina Valeiko permence foragido da Justiça.

Ainda na nota, os familiares comentam o trabalho desempenhado pela polícia. “A Polícia tem feito seu trabalho, de forma responsável e diligente, esperamos em Deus que o ritmo das investigações não desacelere e, em breve, nos deparemos com a verdade. Verdade: é isso que queremos!”, consta no documento.

Confira a nota na íntegra: