Brasil arrecada quase R$ 2 milhões em leilões de bens do tráfico

Brasil arrecada quase R$ 2 milhões em leilões de bens do tráfico

O governo do Brasil fechou, na última quarta-feira (29), a primeira etapa de leilões de bens confiscados do tráfico.

A expectativa de arrecadação, que era de R$ 400 mil, foi totalmente superada, com o país acumulando quase R$ 2 milhões.

A informação foi confirmada pela secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), braço do Ministério da Justiça e Segurança Pública, como noticiou o jornal Gazeta do Povo.

Os leilões fazem parte da estratégia do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para sufocar o setor financeiro das facções criminosas, inclusive por meio do confisco patrimonial.

Agora, por meio do “Projeto Check In, os policiais devem informar à Senad os dados referentes aos itens apreendidos, para que sejam localizados e, assim, disponibilizados aos leilões.

Bolsonaro sobrevoará por regiões de MG atingidas pela chuva

Bolsonaro sobrevoará por regiões de MG atingidas pela chuva

O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fará um sobrevoo, nesta quinta-feira (30), pelas regiões de Minas Gerais castigadas pela chuva.

Segundo os dados da Defesa Civil, subiu para 54 o número de mortes causadas pelas chuvas. Quase 47 mil pessoas estão desabrigadas e desalojadas em Minas, enquanto 65 ficaram feridas, informa o site IG.

Bolsonaro desembarca em Belo Horizonte, onde se encontra com o governador Romeu Zema.

Auxiliares do chefe do Executivo também incluíram Espírito Santo Rio de Janeiro no roteiro do sobrevoo.

Ainda há dúvidas, no entanto, se Bolsonaro fará apenas o sobrevoo sobre as áreas de Minas ou se optará por fazer o giro completo, registra o portal G1.

Os três Estados estão sofrendo com os intensos danos causados pelo excesso de chuvas e pelo despreparo da infraestrutura local para evitar alagamentos e deslizamentos.

Ministério da Saúde confirma primeira suspeita de coronavírus no Brasil

Ministério da Saúde confirma primeira suspeita de coronavírus no Brasil

O Ministério da Saúde confirmou, nesta terça-feira (28), um caso suspeito de coronavírus no Brasil. A suspeita é de uma estudante de 22 anos que esteve na cidade de Wuhan, na China, e retornou ao Brasil na última sexta-feira (24). De acordo com a pasta, este é o único caso no Brasil que é considerado suspeito do novo vírus.

De 3 a 27 de janeiro, o Centro de Informações Estratégicas e Resposta de Vigilância em Saúde (CIEVS) Nacional analisou 7063 rumores, sendo que 127 exigiram verificação por meio de exames.  “Não há evidências de que o vírus está circulando no Brasil”, informou o ministro em coletiva de imprensa.

No entanto, a pasta acompanha o caso de perto e afirma que 14 pessoas próximas da paciente estão sendo monitoradas. “É um monitoramento clínico, que acontece por telefone, WhatsApp e visitas para ver se há qualquer elevação de temperatura e sinal de sintoma”, explicou o ministro Luiz Henrique Mandetta.

De acordo com a pasta, a estudante disse que não esteve no mercado de peixes da cidade, não teve contato com nenhuma pessoa doente e não procurou nenhum serviço de saúde quando esteve na cidade. O ministério confirmou também que o nível de alerta do Centro de Operações de Emergência (COE), instalado na última quinta-feira (23/1), subiu. Até nessa terça, o COE trabalhava com o nível de alerta 1 e passou para 2, em uma escala de 1 a 3.

”Estávamos até ontem no nível 1. Na medida em que nós identificamos o primeiro caso que se enquadrou na definição de caso suspeito, nós estamos entrando no nível 2, de perigo iminente. Caso tenhamos um caso confirmado, declaramos emergência de saúde pública e passamos para o nível 3″, declarou o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Kléber de Oliveira. O ministro da pasta afirmou que o que muda nesta fase é o grau de vigilância, inclusive em portos e aeroportos.

Aeroportos do Brasil divulgarão avisos sonoros sobre coronavírus

Aeroportos do Brasil divulgarão avisos sonoros sobre coronavírus

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgará informes sonoros nos aeroportos do Brasil para orientar os passageiros sobre a nova variante do coronavírus.

Os avisos vão alertar às pessoas que fizeram viagem à cidade de Wuhan, na China, que procurem a unidade de saúde mais próxima, caso apresente um quadro de febre, tosse ou dificuldade para respirar dentro de um período de até 14 dias após a viagem.

A Anvisa informou que está orientando as equipes que trabalham em portos, aeroportos e fronteiras para a detecção de casos suspeitos e a utilização de equipamento de proteção individual (EPI), segundo o site UOL.

Os procedimentos de limpeza e desinfecção de terminais também foram intensificados. 

Um dos avisos sonoros que os passageiros vão ouvir nos aeroportos diz o seguinte: 

“Se você tiver febre, tosse ou dificuldade para respirar, dentro de um período de até 14 dias, após viagem para a cidade de Wuhan, na China, você deve procurar a unidade de saúde mais próxima e informar a respeito de sua viagem. Para proteger sua saúde, siga medidas simples, que podem evitar a transmissão de doenças.”

Não existe qualquer atrito com Moro, diz Bolsonaro

Não existe qualquer atrito com Moro, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta sexta-feira (24), que alguns secretários estaduais de Segurança podem estar buscando enfraquecer o governo.

“Não existe qualquer atrito entre eu e Moro”, disse Bolsonaro horas atrás.

O comentário do chefe do Executivo foi feito em breve conversa com a imprensa após pousar em Nova Déli, capital da Índia.

Nas últimas horas, Bolsonaro foi alvo de duros ataques de políticos e da imprensa brasileira por supostamente buscar a recriação do Ministério da Segurança Pública, o que afetaria diretamente a influência do ministro da Justiça, Sergio Moro, em seu governo.

A ex-líder do Governo no Congresso Nacional, deputada Joice Hasselmann, não perdeu a oportunidade para colocar lenha na fogueira.

“Para um presidente inseguro, a popularidade do nosso super ministro representa uma ameaça. É triste, mas só não vê quem não quer”, disse Joice.

No entanto, segundo o portal G1, o presidente ressaltou que a ideia não foi dele, e que não há desgaste entre ele e Moro:

“Essa questão de novo, dos secretários, alguns, não são todos, querendo a divisão. Alguns podem estar bem intencionados e outros podem querer enfraquecer o governo. Não existe qualquer atrito entre eu e Moro, eu e [Paulo] Guedes [ministro da Economia], e qualquer outro ministro.”

Bolsonaro também descartou qualquer iniciativa para recriar a pasta da Segurança Pública. “A minha máxima é: em time que está ganhando não se mexe”, disse o presidente.

Regina Duarte diz que está de ‘corpo e alma’ com o governo

Regina Duarte diz que está de ‘corpo e alma’ com o governo

Regina Duarte afirmou, nesta terça-feira (21), que está de “corpo e alma” com o governo, assegurando que dará o seu “melhor pela causa da nossa Cultura”.

Apesar do teor do discurso, a atriz ainda não aceitou oficialmente o convite do presidente da República, Jair Bolsonaro, para assumir a Secretaria Especial da Cultura.

Em publicações sobre o convite em sua conta uma rede social, a atriz declarou:

“Tô de corpo e alma com esse governo, vcs já sabem, apaixonada como sempre pelo meu país, louca pra contribuir com a produção da alegria e felicidade geral… me entrego ao que Deus e o Destino reservam pra mim, muito grata pela confiança de todos. Vou, como sempre tenho feito, dar o meu melhor pela causa da nossa Cultura.”

E acrescentou:

“Vou ter muito trabalho pela frente. Fiquem comigo, vou precisar saber que estão comigo. Grande, grato e amoroso abraço!”

Nesta quarta-feira (22), Regina virá a Brasília para conhecer a estrutura da secretaria e decidir seus próximos passos.

Guedes representa Brasil na abertura do Fórum Econômico Mundial

Guedes representa Brasil na abertura do Fórum Econômico Mundial

A partir desta segunda-feira (20), o ministro da Economia, Paulo Guedes, representará o Brasil durante a abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

De terça-feira (21) a quinta-feira (23), o ministro falará em painéis e terá encontros com presidentes de multinacionais.

De acordo com o Ministério da Economia, o objetivo de Guedes é se concentrar em dois aspectos: 

  • Redução do déficit fiscal no primeiro ano de governo;
  • Aprofundamento das reformas estruturais.

O ministro chegou à Suíça na sexta-feira (17) e passou o fim de semana em Zurique, sem compromissos oficiais. 

Na última quinta-feira (16), Guedes participou de reunião na Mont Pelerin Society, na Universidade de Stanford, na Califórnia.

‘Brasil está no caminho certo’, diz Bolsonaro sobre OCDE

‘Brasil está no caminho certo’, diz Bolsonaro sobre OCDE

O presidente da República, Jair Bolsonaro, celebrou, nesta quarta-feira (15), a disposição dos Estados Unidos de apoiar a entrada imediata do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O governo Donald Trump já entregou uma carta à organização apontando o Brasil para ser o próximo país a iniciar o processo de adesão à entidade.

Ao conversar com a imprensa na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro declarou:

“A notícia é muito bem-vinda. Eu venho trabalhando há meses em cima disso, de forma reservada, obviamente. São mais de 100 requisitos para você ser aceito. Estamos bastante adiantados, na frente da Argentina e as vantagens do Brasil são muitas. Equivale ao nosso país entrar na primeira divisão.”

Bolsonaro disse, no entanto, que não tem como falar em prazo para que o ingresso ocorra:

“Não posso falar em prazo. Não depende somente do Trump. Se fosse só do Trump, já estava lá. Depende de outros países aí. Estamos vencendo resistências e mostrando que o Brasil é um país viável.”

O chefe do Executivo indicou também que conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a sinalização da Casa Branca:

“Falei com o Paulo Guedes agora pela manhã. A notícia foi muito bem vinda.”


DPVAT: Toffoli recua e mantém redução nos valores

DPVAT: Toffoli recua e mantém redução nos valores

Em recuo, Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu restabelecer a resolução do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), que reduziu os valores cobrados pelo seguro DPVAT.

Toffoli explicou, nesta quinta-feira (9), que no pedido de reconsideração da decisão, a União informou que, no orçamento das despesas o Consórcio DPVAT aprovado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) para o ano de 2020, houve supressão de R$ 20,3 milhões.

No último dia de 2019, o ministro do STF havia atendido um pedido feito pela Seguradora Líder, consórcio que administra o DPVAT, e que tem como um dos sócios o presidente do Partido Social Liberal (PSL), deputado Luciano Bivar (PE).

O presidente da República, Jair Bolsonaro, informou na última sexta-feira (3) que a Advocacia-Geral da União (AGU) iria recorrer da decisão.

“Conversei com André Mendonça [advogado-geral da União], que vai questionar essa questão no Supremo”, disse Bolsonaro.

“Assim, a redução da tarifa em decorrência da existência de superávits acumulados não somente está alinhada com os preceitos técnicos da tarifação do Seguro DPVAT como é absolutamente necessária para que os recursos arrecadados a maior nos anos anteriores cumpram seu objetivo previsto em norma (pagamento de sinistros e despesas com sinistros), e compensem os pagamentos majorados realizados pelos proprietários de veículos nos anos anteriores”, disse Toffoli na decisão desta quinta-feira, informa o jornal Valor.

Vamos manter comércio com o Irã, diz Bolsonaro

Vamos manter comércio com o Irã, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta terça-feira (7), que o Brasil manterá o comércio com o Irã.

“Temos comércio com o Irã e vamos continuar esse comércio”, disse Bolsonaro em rápida conversa com jornalistas ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília.

O chefe do Executivo destacou que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, “está fora do Brasil”, mas que “chegando aqui vou conversar com ele”.

Bolsonaro acrescentou que o regime islâmico em Teerã não adotou qualquer medida contra o Brasil, mas que o país precisa “ter a capacidade de se antecipar a problemas”, segundo a agência Reuters.

O presidente brasileiro também afirmou que “por enquanto” está mantida a viagem a Davos para o Fórum Econômico Mundial neste mês. 

Nesta segunda-feira (6), Bolsonaro havia alertado para a possibilidade de não participar do evento em Davos, na Suíça, por questões de segurança.