Pentágono acredita em vacina contra coronavírus até final do ano

Pentágono acredita em vacina contra coronavírus até final do ano

A coronel Wendy Sammons-Jackson, diretora do Programa de Pesquisa de Doenças Infecciosas das Forças Armadas dos Estados Unidos, afirmou, nesta terça-feira (2), que acredita ser possível que algum tipo de vacinacontra o coronavírusesteja disponível até o fim deste ano.

Kayvon Modjarrad, outro pesquisador do Exército dos EUA, afirmou¹ que os cientistas estão aprendendo sobre o coronavírus “mais rápido do que sobre qualquer outro vírus anterior”.

Modjarrad declarou:

“Chegar a uma vacina em questão de meses, do conceito até a terceira fase de testes clínicos e com potencial de ser licenciada, não tem precedentes. Mas neste caso eu acredito muito que seja possível.”

A colaboração entre governo Donald Trump e setor privado envolve empresas como AstraZeneca e Johnson & Johnson.

Os militares norte-americanos planejam testar sua vacina em humanos no final do verão no Hemisfério Norte, por volta do mês de setembro.

Novo surto na China aponta que coronavírus pode estar sofrendo mutação

Novo surto na China aponta que coronavírus pode estar sofrendo mutação

Comparado ao surto em Wuhan, o coronavírus tem se manifestado de forma diferente no nordeste da China, é o que têm observado médicos no país. 

De acordo com o Uol, os dados apontam que ele pode estar sofrendo mutações desconhecidas, o que pode complicar sua eliminação. Segundo um dos principais médicos da China, Qiu Haibo, nas províncias de Jilin e Heilongjiang, os pacientes aparentam portar o vírus por um período maior de tempo e testes demoram mais para dar negativo.

Na região nordeste do país os pacientes também levam mais tempo, aproximadamente duas semanas, para apresentação dos sintomas após a infecção: “Como os pacientes infectados não apresentaram sintomas por um período mais longo, isso criou focos de infecções familiares”, disse Qiu, que também atuou no combate ao surto original, em Wuhan.

Apesar dos dados, ainda não há confirmação de que o vírus está passando por mutações significativas.

OMS alerta para nova inflamação misteriosa em crianças

OMS alerta para nova inflamação misteriosa em crianças

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou as equipes médicas para ficarem atentas a uma nova inflamação misteriosa que está afetando crianças e adolescentes.

Em um comunicado emitido na última sexta-feira (15), a entidade internacional apontou que a inflamação pode estar ligada ao novo coronavírus.

O nome provisório da doença, proposto por alguns pesquisadores, é PIMS-TS, sigla para o nome em inglês, que seria: 

“Síndrome Pediátrica Inflamatória Multissistêmica Temporariamente Associada ao SARS-CoV-2.”

De acordo com a OMS, é uma doença grave, que requer cuidados intensivos e pode ser fatal. 

Os sintomas incluem: 

  • alergia;
  • problemas cardíacos;
  • problemas de coagulação no sangue;
  • vômito;
  • diarréia;
  • dor abdominal.

Análises preliminares de médicos indicam que a doença surge em pessoas entre 0 e 19 anos que foram expostas ao coronavírus.

A OMS alertou que médicos ao redor do mundo devem mandar com urgência dados coletados para ajudar pesquisadores a entenderem a doença e desenvolverem um tratamento, destaca a revista Exame.

China entende que crise do coronavírus pode gerar confronto com EUA

China entende que crise do coronavírus pode gerar confronto com EUA

Um relatório interno da China informa que o regime comunista enfrenta uma onda crescente de hostilidade em meio à pandemia de coronavírus.

Este clima hostil pode levar as relações com os Estados Unidosa um estágio de confronto, disseram fontes à agência Reuters.

O relatório foi apresentado no início do mês passado pelo Ministério da Segurança do Estado aos principais líderes do Partido Comunista Chinês, incluindo o mandatário Xi Jinping.

O documento concluiu que o sentimento global contra o regime comunista está em seu nível mais alto desde a repressão de 1989 na Praça da Paz Celestial.

Como resultado do cenário atual, Pequim enfrenta uma onda de sentimento anti-China liderada pelo governo Donald Trump.

Ainda de acordo com o texto, no pior cenário possível, a China precisa estar preparada para um confronto armado entre as duas potências globais.

“Não tenho informações relevantes”, disse o gabinete do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China em resposta aos questionamentos da Reuters sobre o relatório.

Governo dos EUA divulga vídeos oficiais de OVNIs

Governo dos EUA divulga vídeos oficiais de OVNIs

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou nesta segunda-feira (27) três vídeos de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs). As imagens foram gravadas por câmeras de infravermelho de caças americanos e mostram os soldados da marinha dos EUA interagindo com objetos voadores que se movem rapidamente. As informações são da ABCNews.

Segundo o Pentágono, os registros são de novembro de 2004 e janeiro de 2015. Os vídeos já haviam sido divulgadas, sem autorização do governo, pelo jornal New York Times e pela To the Stars Academy of Arts and Science, um grupo privado de mídia e pesquisa científica.

A publicação dos vídeos ocorreu após uma análise minuciosa, na qual foi constatado que a exposição das imagens não afeta as investigações dos EUA sobre fenômenos aéreos não identificados.

De acordo com o Departamento de Defesa, a intenção é “esclarecer quaisquer equívocos do público sobre a autenticidade das imagens, e se há ou não mais vídeos”. O órgão ressaltou que os fenômenos aéreos registrados nos vídeos permanecem classificados como “não identificados”.

Rússia permite tratamento com hidroxicloroquina para coronavírus

Rússia permite tratamento com hidroxicloroquina para coronavírus

O governo da Rússia autorizou o tratamento com a hidroxicloroquina de pacientes infectados com o novo coronavírus.

O fármaco é um derivado do remédio antimalárico cloroquina, cuja eficácia contra o Covid-19 é alvo de um intenso debate ao redor do globo.

Em um decreto publicado nesta quinta-feira (16), o governo russo deu instruções às organizações médicas nesse sentido, acrescentando que a China entregou mais de 68 mil caixas deste remédio ao país.

O texto foi publicado depois de um telefonema ontem entre os presidentes russo, Vladimir Putin, e chinês, Xi Jinping.

A hidroxicloroquina será distribuída nos hospitais que tratam os pacientes que deram positivo para coronavírus, ou sob suspeita de contaminação.

A agência russa de controle dos serviços médicos deverá monitorar o quadro para garantir a segurança e a eficácia do remédio, destaca o portal UOL.

Pesquisa: 125 pacientes com Covid-19 tratados com remdesivir têm ‘recuperação rápida’

Pesquisa: 125 pacientes com Covid-19 tratados com remdesivir têm ‘recuperação rápida’

Pesquisadores da Universidade de Chicago, em relatório preliminar, afirmaram que identificaram “recuperação rápida” em 125 pacientes com covid-19 que foram tratados com a medicação experimental remdesivir.

A droga é produzida pela empresa farmacêutica Gilead Sciences, que viu um aumento de 12% em suas ações na bolsa nesta sexta-feira (17), após a publicação da pesquisa.

Ainda não há tratamento comprovadamente eficaz para a infecção causada pelo novo coronavírus, que já atingiu mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo. Remdesivir desponta como uma possibilidade para tratamento. No entanto, embora os resultados preliminares sejam promissores, não há ainda robustez nos testes clínicos.

De acordo com a Stat News, 125 pessoas com Covid-19 participaram de tratamento conduzido pela Gilead. Destes, 113 tiveram casos severos da doença. Stat diz que obteve uma gravação de médicos discutindo os resultados, reforçando que os pacientes apresentaram redução na febre e alguns chegaram a deixar os respiradores.

China é uma ameaça à saúde global, diz senador dos EUA

China é uma ameaça à saúde global, diz senador dos EUA

O senador republicano Ted Cruz, do Texas, pediu, nesta quarta-feira (15), que a China seja responsabilizada por sua atuação durante a pandemia de coronavírus.

Cruz disse que o Covid-19 poderia ter sido contido como um “surto regional” se o regime comunista de Pequim tivesse agido prontamente.

Em entrevista à emissora Fox News, Cruz declarou:

“A China tem sido a ameaça geopolítica mais significativa enfrentada pelos Estados Unidos. Nós sempre consideramos uma ofensa aos direitos humanos quando eles censuram e silenciam a liberdade de expressão.”

O senador acrescentou:

“Vimos agora que não é apenas uma ameaça aos direitos humanos, mas também à segurança nacional e à saúde global quando se trata deste surto de Wuhan.”

Mencionando a censura aplicada pelo regime de Xi Jinping para controlar as informações sobre o surto, o político do Partido Republicano completou:

“Quando médicos corajosos denunciaram [o surto], o governo chinês os atacou. Eles os silenciaram. Eles fizeram todo o possível para mantê-los quietos.”

Trump compara pandemia do coronavírus com guerras mundiais

Trump compara pandemia do coronavírus com guerras mundiais

O presidente Donald Trumpalertou que as mortes por coronavírusnos Estados Unidos vão aumentar consideravelmente nas próximas semanas.

Em entrevista coletiva na Casa Branca, neste sábado (4), Trump disse que a crise atual pode chegar no mesmo nível do número de mortos de guerras mundiais.

“Infelizmente, haverá um período muito, muito mortal. Eu realmente acredito que provavelmente nunca vimos números assim, talvez durante a guerra — uma guerra mundial.”

Apesar da previsão assustadora, o presidente norte-americano não deu nenhuma estimativa de quantos cidadãos devem morrer nas próximas semanas.

Trump ainda disse aos repórteres que seu governo está trabalhando para perder o menor número de vidas possível e que está distribuindo ventiladores para os estados que mais precisam deles.

Crianças já morreram por causa do coronavírus, diz OMS

Crianças já morreram por causa do coronavírus, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, nesta segunda-feira (16), que crianças já morreram por causa da nova variante de coronavírus.

Segundo a revista Exame, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que o vírus é “uma doença séria”:

“Apesar de as evidências sugerirem que aqueles com mais de 60 sofrem maiores riscos, pessoas jovens, incluindo crianças, morreram.”

No entanto, a organização não divulgou o número exato de mortes na faixa etária.

Em seu perfil no Twitter, o especialista em saúde pública da Universidade de Harvard, Eric Feigl-Ding, apontou que, embora o número de mortes em jovens seja baixo, eles continuam sendo vetores da doença.

Na Coreia do Sul, por exemplo, quem tem entre 20 e 29 anos representa 29,9% dos 8,2 mil casos confirmados no local.